Fabio Seixas, versão txt
Evolução da folksonomia
novembro 18, 2007, 4:15 AM por Fabio Seixas

A Internet vem introduzindo vários novos conceitos no mundo atual. Um dos que mais aprecio é a folksonomia, ou a capacidade de várias pessoas categorizarem conteúdo utilizando palavras-chaves ou tags.

Pegue uma unidade de conteúdo ou objeto, como, por exemplo, uma foto. Associe palavras-chaves à ela e deixe que outros façam o mesmo. Com o volume e várias pessoas associando as mesmas palavras a um mesmo objeto observamos o "peso" das palavras-chaves. Quanto mais pessoas fizerem a mesma associação, mais relevante é a palavra-chave.

Consigo imaginar que esse modelo seja apenas o começo do que pode se tornar a folksonomia.

Temos duas dimensões (objeto e palavra-chave) e um sujeito (pessoas). Com isso conseguimos um resultado (categorização) com uma variável (peso).

objeto + palavra-chave = categorização

(objeto + palavra-chave) x peso = categorização relevante

Consigo imaginar um modelo mais avançado para a folksonomia. Um modelo que considere três dimensões e não apenas as duas dimensões iniciais, objetos e palavras-chaves. Imagine acrescentar a essa formula a dimensão da conexão entre palavras-chaves. Imagine palavras-chaves com alguma relação em comum.

"arco-íris" e "colorido" estão, do ponto de vista do significado, eternamente associadas. Podemos dizer o mesmo de "formula1" associado a "carros". Já não poderíamos tirar a mesma conclusão de "carros" associado a "formula1" já que nem todo carro é um Formula 1.

O ponto que quero chegar é se podemos extrair significado da folksonomia como ela é hoje se simplesmente adicionarmos ao modelo a conexão de palavras-chaves.

Imagine uma foto de um arco-íris onde várias pessoas associaram as palavras "arco-íris" e "colorido".

A partir de várias associações bidimencionais como essa, podemos criar conexões entre as palavras-chaves.

Se muitas pessoas associam as palavras "arco-íris" e "colorido" para vários objetos (fotos) diferentes, podemos concluir que "arco-íris" e "colorido" estão de alguma forma conectados.

Uma vez que as palavras-chaves podem estar previamente categorizadas como verbos, adjetivos e substantivos, essas conexões acabam por gerar significado. "Arco-íris são coloridos".

objeto + palavra-chave + conexão = significado

Coloque isso em larga escala, compute o peso e teremos significado relevante.

(objeto + palavra-chave + conexão) x peso = significado relevante

Temos então um modelo tridimencional de folksonomia: objeto, palavra-chave, conexão.

Esse modelo poderia ser um dos pilares da web semântica, desde que houvesse associações suficientes. Isso não me parece utópico, já que muito conteúdo na web está sendo associado a palavras-chaves, tais como fotos, vídeos e artigos.

Colocando em prática, poderíamos associar fotos do Flickr com artigos do Wikipedia automaticamente tendo como base somente a folksonomia feita pelos usuários do Flickr, a nuvem de conexões entre palavras-chaves e o significado dos artigos do Wikipedia ("Arco-íris são coloridos")


Talvez eu tenha viajado bastante nesse artigo. Talvez eu devesse escrevê-lo em inglês e enviá-lo para Universidade de Stanford. :)





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (16) | trackback (0)
Link para este post:



As empresas estão nuas
março 28, 2007, 6:30 PM por Fabio Seixas

Realmente a Internet muda tudo. A Internet está deixando as empresas nuas e sem saberem como lidar com isso.

www.casasbahia.org

O meio está demandando que as empresas sejam cada vez mais transparentes e "do bem". Isso me lembra a filosofia do Google: Don´t do evil Don´t be evil.





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (5) | trackback (0)
Link para este post:



Para onde nós vamos?
março 6, 2006, 7:55 PM por Fabio Seixas

Enquando dava uma espiava, confesso que com olhares de inveja, as palestras que vão acontecer no MIX06 no próximo dia dia 20 em Las Vegas, descobri uma empreitada muito interessante da Amazon chamada MTurk (Ou Mechanical Turk).

O MTurk é um site onde pessoas podem realizar tarefas que humanos realizam muito melhor do que qualquer computador e ainda serem remunerados por isso.

É simples. Dentre as diversas tarefas publicadas no site, você escolhe uma, a realiza e pronto. Depois, o solicitante avalia seu trabalho e te paga.

O Google já faz algo semelhente com o Google Answers onde você publica uma pergunta disposto a pagar para que alguém a responda. É claro que existem perguntas que um ser humano responde com muito mais facilidade do que um computador. O odor desse vinho é amadeirado? Qual a sensação de ser pai?

A questão é até onde o meio online nos levará no desenvolvimento de uma humanidade mais culta e desenvolvida? Ações como essas propiciam e incentivam o desenvolvimento de nossas capacidades intelectuais e humanas. Imagine por exemplo, como os cidadãos de baixa renda, ex-presidiários, integrantes de classes minoritárias, ou seja, indivíduos excluídos socialmente mas ainda assim cultos e capazes poderão se desenvolver no longo prazo, eliminando a exclusão social de suas vidas. Simplesmente fantástico.

Definitivamente, a era ilustrada em "Tempos modernos" de Chaplin está fadada a ser extinta.





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (3) | trackback (0)
Link para este post:



O impacto da Internet na política e na democracia
janeiro 23, 2006, 8:14 PM por Fabio Seixas

Os governos e políticos precisam ficar de olhos abertos. Os eleitores também. A Internet hoje permite uma comunicação em massa entre pessoas de classe social elevada e portanto politicamente educados e formadores de opinião.

Hoje recebi 2 emails deteriorando a imagem do Presidente Lula e do PT. Neste post não vou dar minha opinião política nem tão pouco atacar ou defender o Presidente e seu partido. Apenas quero mostrar como a Internet pode ser utilizada como ferramenta de formação de opinião da massa (da massa online pelo menos).

Dos 2 emails que recebi, um era uma piada com humor duvidoso e outro um desses emails com PPS exaltando uma suposta fraude bilionária apoiada pelo partido do governo.

Independente da verdade descrita nos textos dos emails, o fato é que o eleitor é exposto a essas mensagens. E essa exposição só piora a imagem do acusado, mesmo que o conteúdo da mensagem seja falso.

A Internet está se tornando o meio pelo qual a população irá conseguir minimizar o poder dos governos e dos políticos. No futuro, digamos 30 ou 40 anos, acredito que teremos o meio online como a principal forma/ferramenta para a definição políticas e de governos tendo a população como parte principal do processo de tomada de decisão de governança de uma nação.

Talvez a Internet seja o meio que permita às diversas nações democráticas do mundo, transformar suas democracias representativas em democracias diretas.

Mesmo que alguns cientistas políticos achem que democracia direta é uma utopia, prefiro pensar que isso é possível. Para tanto basta que alguns paradigmas culturais sejam quebrados. Mas não que isso seja fácil.





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (2) | trackback (0)
Link para este post:



10% da população mundial já fez compras online
outubro 22, 2005, 12:12 PM por Fabio Seixas

Segundo recente pesquisa feita pela ACNielsen, através de artigo publicado no Herald Tribune, 10% da população mundial, ou seja, mais de 627 milhões de pessoas já fizeram compras online pelo menos uma vez. Esse é um número impressionante e promissor. Vamos aos números.

A população mundial é de 6.420 milhões de pessoas. Fechamos 2004 com 957 milhões de pessoas com acesso a Internet (projeta-se 1.070 milhões para 2005, segundo a Computer Industry Almanac). Considerando a projeção de 1.070 milhões de usuários, sabemos que 16% da população mundial tem acesso a Internet.

Isso significa que 41% das pessoas com acesso a Internet já compraram alguma coisa online. Isso é impressionante.

Agora promissor isso é porque somente 16% da população mundial tem acesso a Intenet. De 2000 a 2005, a quantidade de usuários com acesso à Intenet aumento 163%, mundialmente.

Comércio eletrônico é uma das coisas que deram certo na Web 1.0. Com a Web 2.0, só tende a melhorar.

Fontes:
http://www.internetworldstats.com/stats.htm
http://www.clickz.com/stats/sectors/geographics/article.php/151151





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (0) | trackback (0)
Link para este post:





    Powered by Movable Type