Fabio Seixas, versão txt
Seu blog é sobre o que mesmo?
junho 30, 2006, 7:46 PM por Fabio Seixas

Vocês já pararam para pensar sobre o que fala o blog de vocês? Ele fala sobre você, sua vida, o que você faz, o que você descobriu.... ou ele é para o leitor, falando sobre o que você acha que o leitor deveria ou gostaria de saber? Sobre como as informações do seu blog podem ajudar o seu leitor de alguma forma?

Seu blog olha mais para o próprio umbigo ou para o conhecimento do seu leitor? O objetivo dele é melhorar de alguma forma a sua vida ou a vida do seu leitor?

Talvez essa resposta ajude a explicar porque tem muito blog com pouco tráfego e pouco leitor....

Dica: Leia seus posts anteriores e veja se você escreve mais "Eu" do que "Você".





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (8) | trackback (0)
Link para este post:




Age of Peer Production
junho 30, 2006, 2:31 PM por Fabio Seixas

A Wired enxerga a co-criação como um novo paradigma nos processos produtivos. Chega a comparar esse novo conceito com os conceitos surgidos na Revolução Industrial e na Revolução da Informação.

First, steam power replaced muscle power and launched the Industrial Revolution. Then Henry Ford’s assembly line, along with advances in steel and plastic, ushered in the Second Industrial Revolution. Next came silicon and the Information Age. Each era was fueled by a faster, cheaper, and more widely available method of production that kicked efficiency to the next level and transformed the world.

Now we have armies of amateurs, happy to work for free. Call it the Age of Peer Production. From Amazon.com to MySpace to craigslist, the most successful Web companies are building business models based on user-generated content. This is perhaps the most dramatic manifestation of the second-generation Web.

Matéria completa: People Power





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (1) | trackback (0)
Link para este post:




Google Checkout
junho 29, 2006, 10:08 AM por Fabio Seixas

Google lançou hoje o Google Checkout, uma ferramenta que permite que consumidores comprem pela Internet usando uma interface de pagamento unificada e, em contra-partida, permite que donos de sites integrem facilmente uma ferramenta de cobrança online.

Do ponto de vista do comerciante, vejo como uma opção ao PayPal, já que aqui no Brasil o PayPal não tem uma atuação interessante.

Do ponto de vista do consumidor, é um grande ponto a favor da segurança nas compras pela Internet. Muitos usuários ainda tem medo de comprar pela web. Talvez, sabendo que estão informando seu número de cartão para o Google ao invés de informa-lo para uma pequena loja online nacional desconhecida, estes usuários sintam-se mais seguros em comprar pela Internet.

Update 1: Parece que a integração do Google Checkout em sites de e-commerce não está disponível. Aaprentemente apenas parceiros selecionados do Google tem esse serviço. Resta saber quanto será liberado para comerciantes menores.

Update 2: O Update 1 já está desatualizado. Qualquer lojista pode integrar o Google Checkout em seu processo de venda. Veja aqui.

Update 3: Requistos para utilizar o Goole Checkout como lojista:

Before you start, you'll need:
  • The federal tax ID number (or a credit card and an authorized Social Security number) for your business.
  • A text-only version of your return, cancellation, and shipping policies.
  • A shopping cart on your business website to accept online orders (unless you're integrating via Buy Now buttons).
  • Via Micro Persuasion





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Rápido x correto
    junho 29, 2006, 9:57 AM por Fabio Seixas

    Se você é blogueiro: Na blogosfera, ser rápido é melhor do que ser correto?

    Via Seth





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (4) | trackback (0)
    Link para este post:




    O que presta e o que não presta no Word-of-Mouth
    junho 28, 2006, 11:43 AM por Fabio Seixas

    Achei essa no Brand Autopsy e achei fantástico.

    Spike do Brains on Fire Blog, comenta o que presta e o que não presta nas técnicas de Word-of-Mouth.

    1. If you train your sales force in the ways of evangelism, they become better recruiters. SPIKE SAYS: WORTHY, but not exactly a “go home and implement” tool.

    2. Make it easy for people to find you and tell people about you.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    3. Create a market advisory council.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    4. Use interesting stories to bring your WOM topics to life.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – your identity should already do that.

    5. Encourage your brand champions to tell two friends about you, not just one.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – Give them something to talk about

    6. Do something unexpected and generous for your customers — send a free product (include an extra for them to pass along to a friend) just for being a valued customer.
    SPIKE SAYS: WORTHY, but you don’t have to bribe your customers, just surprise and delight

    7. Identify influentials using online social networking sites.
    SPIKE SAYS: WORTHY, depending on your views of “influentials”

    8. Reach the influencers that don’t raise their hand.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS

    9. Create experiences around your products and services.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    10. Be an evangelist for your evangelists (Send them framed versions of case studies you’ve
    done with them, blog about them, show them off in your newsletters.)

    SPIKE SAYS: WORTHY

    11. Use a memorable collectible as a dinner table centerpiece with the winner’s sticker on the bottom of their chair.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – this is just a sad gimmick, not a WOM tool

    12. Give your audience business card holders packed with ‘tell-someone’ referral cards.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – another bad giveaway gimmick

    13. It’s not just marketing: embed WOM into your sales culture.
    SPIKE SAYS: WORTHY, but not take home actionable.

    14. Use humor or “did you know” language to help consumers feel like they have something funny or unique to add to the conversation.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS

    15. Ask your customers to talk about you.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – this is WOM creationism!

    16. Hide it. Discovery is a trigger for WOM, so make your tool or marketing message hard to find and you’ll create something people will want to talk about and share.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    17. Leverage provocative content to make everyday product talk-worthy.
    SPIKE SAYS: Borderline WORTHY

    18. Ensure you get the best ideas by engaging your WOM agency early in a paid consulting role.
    SPIKE SAYS:WORTHLESS as a WOM tool, but great advice nonetheless!

    19. Make friends with some bloggers (they don’t even have to be famous).
    SPIKE SAYS: WORTHY – but I would add, “and don’t ask them for favors.“

    20. Give your evangelists something to talk about.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    21. Give out your marketing collateral in something noticeable that gets people talking.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – another gimmick

    22. Create a story and let consumers share their best stories of interactions with your product or service.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    23. Create a VIP customer pool and use it.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    24. Make it easy for people to easily spread the word about you (Create a button for their blog or web site, a card or CD they can pass along to a friend, or build a ‘tell a friend’ option.)
    SPIKE SAYS: WORTHY

    25. Release exclusive content (”insider information”) and let your avid customers react and interact with it.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    26. Create clever 30-second virals and post to your home page.
    SPIKE SAYS: Borderline WORTHY – in this day and age of viral saturation, it’s gonna have to be either really great or really relevant to be effective.

    27. Take a cue from gossip rags such as InFocus or US Weekly and use surveys to add interesting facts to your WOM stories.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – this is just a tiny add-on.

    28. Let your customers create — provide ways to make it easy for consumers to customize and show off their creativity.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    29. Use ‘free or low-charge’ release services to announce new products and services like Soflow, 24-7 PR, PR Leap, PR Free.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS – this is cheep PR, not WOM.

    30. Let your evangelists know you’re listening. (Comment on their blogs, invite them to webinars or to your office for a VIP Tour and to meet the product or service teams, schedule meet-ups in cities and invite your customers to attend).
    SPIKE SAYS: WORTHY

    31. Measure results, not actions.
    SPIKE SAYS: WORTHY – a lot of WOMM is touchy-feely, which is important, but we’re also here to drive sales.

    32. Put the right tools in the hands of your most influential consumers to help them tell your story.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    33. Bring your most loyal customers on the inside by involving them in your product development or marketing initiatives.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    34. Poll your sales force for good closing stories, then edit and distribute to use as testimonials.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS as far as WOM goes, but a good idea.

    35. Create a customer community of your most loyal customers.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    36. If you’re going to give something away for free, focus on quality merchandise that influencers value and seed it in the places they naturally frequent.
    SPIKE SAYS: Barely WORTHY

    37. Set the table for WOM to occur by giving your customers tools to initiate it.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    38. Join in the conversation (and start one if needed).
    SPIKE SAYS: WORTHY

    39. Tap into people’s sociability to propel WOM.
    SPIKE SAYS: WORTHY, but how?

    40. Identify “portable conversations” to give your advocates something to talk about.
    SPIKE SAYS: WORTHLESS

    41. Use the Buddy System and partner with your evangelists to work together on bigger projects.
    SPIKE SAYS: WORTHY, but I think this same idea is listed above?!?

    42. Partner with evangelists and create opportunities for them to sing your praises.
    SPIKE SAYS: WORTHY

    43. Print referral cards which customers can give to their friends.
    SPIKE SAYS: Borderline WORTHLESS

    Via: Brand Autopsy: Word-of-Mouth Marketing Ideas. Some Worthy. Some Worthless.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Marcelo D2 + Co-criação
    junho 27, 2006, 9:11 PM por Fabio Seixas

    Marcelo D2, junto com o canal MultiShow, está realizando uma promoção bem no estilo co-criação.

    Se você acha que tem talento pra ser um diretor de um clipe musical, você manda um vídeo para eles mostrando seu talendo e se for escolhido você será um assistente de direção do próximo clipe do D2.

    Eu particularmente acho que seria bem mais legal, se eles efetivamente usassem os melhores vídeos enviados no próprio clipe. Ai sim seria co-criação na veia, mas já valeu a idéia da promoção.

    Veja a promoção aqui.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (2) | trackback (0)
    Link para este post:




    Google Video compartilhando receita com criadores
    junho 24, 2006, 10:51 AM por Fabio Seixas

    Falei aqui outro dia sobre o Revver.com um site que compartilha a receita de publicidade com os criadores dos vídeos publicados no site.

    Parece que o Google Video pretente fazer o mesmo, segundo o NY Times.

    Será que o YouTube vai se mexer também?

    Via Scobleizer





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (1) | trackback (0)
    Link para este post:




    Mais iSummit 2006
    junho 24, 2006, 10:38 AM por Fabio Seixas

    Creative Commons é sinônimo de remix, ou seja, criar algo, disponilibilizar publicamente dentro das licenças CC e deixar que outro reutilizem o seu conteúdo de forma criativa.

    É ai que entra o EyeSpot, um site que permite encontrar, montar, remontar, remixar vídeos de diversos usuários e fazer os seus próprios.

    Muito interessante todo esse poder de User Generated Content e co-criação que a "nova internet" (só pra não falar em web2) vem proporcionando.

    PS.: Além de ter encontrado o amigo Mauro Amaral durante o evento, tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o até então amigo virtual Cris Dias.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Ao vivo do iSummit 2006
    junho 23, 2006, 10:49 AM por Fabio Seixas

    Estou blogando direto do iSummit 2006 que está acontecendo hoje, amanhã e domingo aqui no Rio.

    Já estou mais encantado do que já era com o Creative Commons. A palestra de abertura do Larry Lessig, Chairman do Creative Commons, foi bastante inspiradora. Grandes iniciativas foram citadas como o já comentado aqui no blog Revver.com e o toSub dotSub.

    Outro discursos, não menos inspirador, foi o do nosso ministro Gilberto Gil. Sem palavras.

    Mais sobre o evento em breve.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Arrume uma outra vida
    junho 22, 2006, 12:17 PM por Fabio Seixas

    Tenho lido ultimamente sobre o Second Life, um game multi-player de realidade virtual que promove uma realidade paralela à nossa onde pessoas comuns da vida real podem criar seus alter-egos virtuais e participar de uma comunidade extremamente calaborativa, com economia ativa e tudo mais.

    Até a American Apparel, lider nos EUA na venda de camisetas básicas no atacado, abriu uma loja nesse mundo virtual. Isso mesmo. É possível fazer negócio dentro do Second Life. Os Linden Dollars, moeda oficial, pode ser convertido em dólares reais.

    O banco americano Wells Fargo, comprou uma ilha dentro do jogo e montou um centro de educação de finanças.

    É um grande exemplo de um negócio baseado em co-criação. O negócio em si é a própria colaboração feita pelos usuários do game. Sem essa co-criação, o modelo de negócio se desfaz. Simplesmente deixa de existir.

    Quem pensou que "Matrix" só poderia existir na telona do cinema, pode estar enganado.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    iSummit 2006 começa amanha no Rio
    junho 22, 2006, 10:33 AM por Fabio Seixas

    Recebi a programação oficial do iSummit 2006 (posts anteriores aqui e aqui) que começa amanhã aqui no Rio.

    Porgramação do evento em PDF.

    Não vou conseguir assistir a todas as palestras, mas tem algumas que parecem ser bem interessantes, principalmente a do Ministro Gilberto Gil e do fundador do Wikipedia.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Revver.com vs YouTube vs Google Vídeo
    junho 22, 2006, 12:18 AM por Fabio Seixas

    Revver.com é um site como o YouTube onde você pode compartilhar vídeos. A diferença é que o Revver te paga uma grana para fazer isso.

    Abordagem interessante para um modelo de negócio que até agora não me parecia economicamente viável Estima-se que o YouTube gasta mais de 1,7 milhão de dólares em tráfego por mês.

    O Revver, ao colocar um anuncio no início do seu vídeo, cria um modelo de negócio e compartilha com o autor a receita vinda desse anuncio.

    Segundo o site PaidContent.org, um único vídeo (The Extreme Diet Coke + Mentos Experiment) que virou febre na Internet e foi visto nada menos que 2,5 milhões de vezes, rendeu US$ 15.000,00 ao Revver e outros US$ 15.000,00 aos criadores do vídeo, que por sinal, teve um custo de produção de US$ 300,00.

    Modelo de negócio bom é aquele em que todo mundo ganha. ; )





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (3) | trackback (0)
    Link para este post:




    Co-criação: No man is an island
    junho 21, 2006, 11:45 PM por Fabio Seixas

    A revista Business 2.0 criou um artigo sobre as 50 pessoas que mais importam neste momento.

    Quem é o primeiro da lista? Você. O consumidor que cria.

    You! The consumer as creator Why You Matter: They've long said the customer is always right. But they never really meant it. Now they have no choice. You -- or rather, the collaborative intelligence of tens of millions of people, the networked you -- continually create and filter new forms of content, anointing the useful, the relevant, and the amusing and rejecting the rest. You do it on websites like Amazon, Flickr, and YouTube, via podcasts and SMS polling, and on millions of self-published blogs. In every case, you've become an integral part of the action as a member of the aggregated, interactive, self-organizing, auto-entertaining audience. But the You Revolution goes well beyond user-generated content. Companies as diverse as Delta Air Lines and T-Mobile are turning to you to create their ad slogans. Procter & Gamble and Lego are incorporating your ideas into new products. You constructed open-source and are its customer and its caretaker. None of this should be a surprise, since it was you -- your crazy passions and hobbies and obsessions -- that built out the Web in the first place. And somewhere out there, you're building Web 3.0. We don't yet know what that is, but one thing's for sure: It will matter.

    Gostei da expressão "networked you". Tem tudo a ver com aquele proverbio... "No man is an island".

    Co-criação é criação em rede.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Orkut vs MySpace
    junho 21, 2006, 7:12 PM por Fabio Seixas

    Para quem não conhece, o MySpace é um site "social" como o Orkut só que algumas vezes maior. Veja o gráfico abaixo:


    Versão maior

    O TechCrunch noticiou hoje que o MySpace vai lançar versões em outras línguas. É notoriamente sabido que o Orkut é dominado por brasileiros. Só que o MySpace tem 5 ou 6 vezes mais usuários que o Orkut. Dou como certo uma versão em portugues do MySpace. A questão é: Será que os brasileiros vão migrar para o MySpace?

    E tendo a achar que sim.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (1) | trackback (0)
    Link para este post:




    WOM: Os grandes começaram a entender
    junho 21, 2006, 3:11 PM por Fabio Seixas

    Parece que os grandes começaram a entender o poder do Word of Mouth (WOM).

    Financial Times: Word of mouth is new ads message





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Co-criação: novo paradigma para os negócios
    junho 20, 2006, 3:51 PM por Fabio Seixas

    Um novo paradigma vem surgindo de forma sorrateira no mundo dos negócios. A co-criação.

    Co-criação é permitir de alguma forma que o cliente ou usuário faça parte do processo criativo e produtivo da empresa. É mudar a forma tradicional das empresas produzirem onde são feitas pesquisas de mercado e desenvolvimento de produto na intenção de chegar a um produto final que uma grande quantidade de pessoas tenha o desejo de comprar. Nesse paradigma tradicional, sempre existe a figura do criador centralizado, o designer, o projetista que a partir de um feedback do mercado (pesquisa) trata de bolar algo para ser produzido e comercializado.

    No novo paradigma de criação de produtos, o consumidor participa ativamente do processo criativo, tornando o produto final muito mais atraente para o mercado, já que foi o próprio mercado que o criou. Isso é Co-criação.

    Exemplos de co-criação ainda são poucos (Camiseteria, Wikipedia, Nespresso, Eletrolux Design Lab, Seriado L Word Fanisode), mas acredito que em breve veremos cada vez mais iniciativas de co-criação.

    Essa estratégia promove diversos benefícios tanto do ponto de vista produtivo quanto do ponto de vista de marketing.

    Produtivamente falando, essa abordagem minimiza o risco de desenvolvimento de produtos pouco aceitos pelo mercado. Minimiza também o risco de uma análise mal feita de uma pesquisa de mercado. Além disso, dependendo de como a empresa implementar a co-criação, é possível aumentar exponencialmente a capacidade de criação da empresa. O que será que produz mais? Meia-dúzia de designers e projetistas ou 6 mil clientes colaborando na criação de algum produto?

    Do ponto de vista de marketing, a abordagem da co-criação cria um vínculo muito mais estreito entre o produto e os clientes. Esse estreitamento transforma totalmente sua forma de comunicação empresarial. Você deixa de falar com o cliente que apenas consome o seu produto e passa a falar com a pessoa que além de consumir, ajudou a criar o produto, seja de forma direta ou indireta. Transformamos "Ei, estranho, compre meu produto. Olhe como ele é bacana" em "E ai, meu camarada, olha como ficou bacana o nosso produto. Agora é só você comprar".

    Mas o que faz um cliente dedicar seu precioso tempo na co-criação de um produto? Várias são as motivações. Eis algumas:

  • Incentivo a fazer parte de algo maior que a pessoa sozinha não teria capacidade de fazer (software opensource).
  • Incentivo a notoriedade. É mostrar para o próximo que ele faz parte daquilo que foi criado.
  • Pura diversão.
  • Oportunidade de colaborar. O ser humano é um colaborador por natureza.
  • Recompensa financeira.

    A Internet e o desenvolvimento dos meios de comunicação permitiram novas formas de colaboração. Vide a Amazon por exemplo, onde o cliente colabora com conteúdo gratúito. Mas co-criação é coloaboração aplicada nas entranhas do processo produtivo. Co-criação, ao invés de colaborar com conteúdo sobre um livro, é efetivamente criar o livro em parceria com outros escritores. Seja para benefício do grupo que o criou ou para benefício dos prórpios criadores e da empresa que viabilizou e proporcionou a oportunidade de co-criar (uma editora por exemplo).

    Exemplos da vida real:

  • Camiseteria.com: Quem não conhece?
  • Wikipedia: Enciclopédia cujo conteúdo é criado milhares de usuários.
  • Nespresso: Concurso para a criação de produtos envolvendo a experiência de tormar um café.
  • Nokia Concept Lounge: Concurso (encerrado) para a criação de produtos da Nokia.
  • Seriado L Word: Um episódio do seriado L Word todo criado por fans da série.
  • Eletrolux Design Lab: Concurso para estudantes criarem produtos para a Eletrolux.

    Fica a pergunta: Como outros negócios podem aproveitar essa tendência?





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (3) | trackback (0)
    Link para este post:




    Receita básica para se tornar empresário sem quebrar a cara (muitas vezes)
    junho 20, 2006, 8:26 AM por Fabio Seixas

    Empreender não é nada fácil. Se fosse fácil haveriam mais empresários do que empregados. Afinal, vontade de ser dono do seu próprio destino não falta.

    O que falta são alguns ingredientes que tornam a vida do propenso empresário muito mais fácil e menos sofrível. É isso mesmo. Sofrível. Empresário no Brasil sofre mesmo. Não estou falando daquele emrpesário que nasceu em berço de ouro que foi criado para cuidar dos negócios da família, fez MBA no exterior, etc, etc, etc. Estou falando daqueles empresários que, mesmo com as chances contra, foram lá e fizeram o que tinha que ser feito. Mudaram seu destino. E não se iludam, o caminhno para mudar o próprio destino além de nada fácil, é sofrível.

    Que ingredientes são esses? Que características são necessárias para ser um empreendedor de sucesso?
    Segue a minha receita básica:

    -3 colheres das de sopa de persistência
    -300g de resiliência
    -2 porções de comprometimento
    -50g de riscos calculados
    -1 xícara de planejamento
    -700 ml de informações
    -200g de independência
    -200g de autoconfiança
    -Um pitada de sagacidade
    -Inteligência a gosto

    Você irá precisar de:
    -Uma assadeira de oportunidade tamanho médio (melhor que seja grande)
    -Um punhado de metas para decorar o prato final

    Modo de preparar:
    Unte uma rede de contatos, polvilhe um pouco de persuasão, coloque todos os ingredientes sem deixar nada de fora. Mexe adicionando independência e autoconfiança aos poucos.

    Diferente das receitas convencionais, esse prato não basta colocar no forno e esperar. É preciso cuidar dele, ficar de olho. Sempre ajustando a posição para um melhor cozimento. Mas também não adianta mexer o tempo todo, senão desanda. É preciso aprender a perceber a hora de ajustar algo e a hora de deixar as coisas acontecerem.

    Ok, ok, a receita parece fácil. Difícil mesmo é conseguir os ingredientes. Se você for um cozinheiro esperto não tentará começar a receita sem antes ter os ingredientes necessário. Porque se faltar algum ingrediente, certamente o resultado não será dos melhores.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (62) | trackback (0)
    Link para este post:




    Quando a copa atrapalha....
    junho 14, 2006, 7:10 PM por Fabio Seixas

    Em tempos de copa do mundo, a euforia e a empolgação parece suplantar toda a minha criatividade para escrever no blog. Então resolvi perguntar para os meus 17 leitores que tema vocês gostariam que eu abordasse por aqui.

    Claro, desde que sejam temas que eu tema algum mérito para abordarr. Eu, por exemplo, sou péssimo para comentar a atuação do Ronaldo no jogo contra a Croácia.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (7) | trackback (0)
    Link para este post:




    iSummit 2006: Tô confirmado!
    junho 14, 2006, 7:03 PM por Fabio Seixas

    Falei aqui no blog a um tempo atrás sobre o iSummit 2006 que o iCommons irá promover esse mês, aqui no Rio.

    Hoje recebi o email de que minha inscrição foi confirmada. Uhu!!

    Segue trecho do email:

    O iCommons representa a maior rede internacional de pensadores e ativistas atuantes na área de propriedade intelectual e tecnologia da informação.

    O iCommons busca promover as condições para um futuro no qual todos possuam a capacidade de participar de forma ativa e critica dos campos da cultura, da tecnologia e do conhecimento, considerados como os combustíveis universais e essenciais para a inovação e a criatividade. Por tudo isso, a principal missão do iCommons é promover ferramentas, modelos e políticas que facilitem esse acesso, participação e integração.

    A conferência deste ano - chamada iSummit 2006 - terá como principal tema:

    "Compartilhando: ferramentas, práticas e políticas" e reunirá vozes de várias partes do mundo, como Jimmy Wales, criador da Wikipedia, Lawrence Lessig, do Creative Commons, Gilberto Gil e muitos outros, buscando estabelecer estratégias de consolidação e ampliação de práticas de "compartilhamento" nos campos do conhecimento, tecnologia e cultura.

    Vai ser bacana ver e ouvir Jimmy Wales, criador do Wikipedia além de nosso ministro Gilberto Gil.

    Obs.: As inscrições foram encerradas a algum tempo. Não faltou aviso. :)





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (1) | trackback (0)
    Link para este post:




    Visualizando o desenvolvimento mundial
    junho 2, 2006, 2:42 PM por Fabio Seixas

    Achei isso simplesmente fantástico.

    Google Gapminder

    Dá para ver graficamente o desenvolvimento de todos os países através de diversas variáveis tais como renda per capta, expectativa de vida, emissão de dióxido de carbono, quantidade de usuários de internet, população urbana, orçamento militar, mortalidade infantil, etc, etc, etc.... Muito bom mesmo.

    Achei esse site através do MoMB - The Museum of Modern Betas que alias é outro site muito bacana. Você vai encontrar uma lista de sites que estão em versão beta. Tudo de mais recente e inovador da web 2.0 passa por lá.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Idéias
    junho 1, 2006, 7:08 PM por Fabio Seixas

    Uma pequena lista de sites sobre novas idéias, modelos de ngócios e tendências que acompanho com regularida.

    Springwise (www.springwise.com)
    O Springwise é uma coletânea permanente e dinâmica de modelos de negócios criativos que surgem em todo o mundo. A seção "Idea database" requer parada obrigatória. Recomendo assinar a newsletter que sempre tem excelentes novidades. Sempre trazem novos negócios que desafiam o Status Quo com produtos e serviços criativos. São mente empreendedora em sua melhor forma. Exemplo não faltam: Uma forma de melhorar o processo de recrutamento usando vídeo, escolas ambulantes para crianças de rua ou turismo em forma de reality show. Menção também para a aparição brazuca, o BusBike.

    TrendWatching.com (www.trendwatching.com)
    O nome já diz tudo. Esse site identifica e acompanha as tendências nascentes em todas as partes do globo. Cada edição mensal trás um estudo profundo de uma nova tendência global ou o aprofundamento de uma tendência recente. Com cases de diversas empresas, o TrendWatching.com consegue diminuir o nevoeiro e melhorar a visão de empresários já visionários. Exemplos: Tryvertising, tendência de fazer propaganda por experimentação, Minipreneurs tendência de consumo de produtos onde o consumidor faz parte do processo de criação (Camiseteria?).

    CoolHunting (www.coolhunting.com)
    Um blog sobre produtos e serviços "cool". Arte, design, alimentação, música, fashion. Tudo muito bem selecionado, trazendo idéias de produtos fantásticos.

    The cool hunter (www.thecoolhunter.net)
    Outro bolg na mesma linha do CoolHuting. Esse, além de produtos bacanas, trás também idéias de propagandas e eventos muito legais.

    Cool Business Ideas (www.coolbusinessideas.com)
    Outro blog, mas nesse caso com uma visão mais empresarial de negócios que desenvolvem produtos muito criativos.

    Espero que gostem das dicas!





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:






  •     Powered by Movable Type