Fabio Seixas, versão txt
Tem algo acontecendo por ai
setembro 30, 2005, 1:50 PM por Fabio Seixas

Mais um pouco sobre Web 2.0

Achei esse site fantático.
Emily Chang eHUb

É apenas uma lista de sites que estão fazendo o dever de casa e focando em estratégias e serviços Web 2.0.

logo-unreg-plain.gif
Atenção especial para o Rollyo. Você cria a sua própria search engine usando somente as fontes de conteúdo que você confia. Ótima ideia. Qual o conceito web 2.0 nisso? Deixem que seus usuários criem conteúdo para você.





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (0) | trackback (0)
Link para este post:




Você está preparado para a Web 2.0?
setembro 29, 2005, 1:18 AM por Fabio Seixas

Web 2.0 é o termo cunhado por alguns para descrever a próxima geração de aplicações e negócios baseados na web.

Ok, tudo bem. Sempre aparece algum termo novo na web. Web 2.0 deve ser só mais uma, né?

Não sei não. Acho esse conceito muito poderoso.

Sites, aplicações e negócios web 2.0 são projetos a frente do seu tempo. Projetos que tiveram a coragem de fazer algo diferente, melhor e mais criativo que o lugar comum. Do que aquilo que todo mundo faz.

Ainda não entendeu? Então pense no Gmail. Uma nova forma de usar o tradicional email. Email de 2.5 giga organizados em forma de conversações e sem pastas para organizar? Uns diriam que era loucura. Eles foram lá é fizeram tudo diferente. E muito melhor!

Pense no Flickr. Mais um site de álbum de fotos? Não. Um novo conceito de comunidade altamente conectada e participativa. Funcionalidades novas, tags, RSS, blogs, etc.

Pense del.icio.us, pense Google Maps, pense 37 Signals e seu Basecamp.

A essencia do Web 2.0 não é simplesmente usar a tecnologia mais nova, o RSS, Ajax, Web Services, XML ou o Ruby on Rails. Mais que a tecnologia, a essencia é também uma questão de postura, de atitude. Você é um empreenderdor Web 2.0? Ou você é aquele que montou um site e acha que vai ganhar dinheiro vendendo banner? Vender banner é 1.0. Propagandas altamente especializadas em mecanismos de busca é 2.0.

E o seu marketing? É web 2.0? É viral? É colaborativo? É evangelizador?

Então o que fazer para tornar ou criar um negócio ou site web 2.0? Eis as minhas dicas:

1. Pensa na web como uma plataforma. De serviço. De colaboração livre e irestrita.
2. Habilite o poder do Long Tail.
3. Use o poder de geração de conteúdo dos seus usuários
4. Permita que o usuário tenha controle. Dissipe o controle.
5. Permita que seu software evolua a medida que é mais utilizado pelos seus usuários. Mude sempre e melhore sempre. Um pouco a cada dia.
6. Foque na experiência do usuário!
7. Foque ainda mais da experiência do usuário! Descubra porque o Google Maps é melhor que o Yahoo Maps ou o Mapquest e você entenderá.
8. Confie nos seus usuários. São eles que estão no comando. Pode acerditar.
9. Priorize Web Service e não software fechados, monolíticos que ninguém além de você pode mexer e usufruir.
10. Incentive a participação do usuário em todos os níveis (ou quase todos) do seu negócio.
11. Seja criativo. "A imaginação é mais importante que o conhecimento" - Albert Einstein.





Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
permalink | comentários (1) | trackback (0)
Link para este post:




Bolha 2.0
setembro 28, 2005, 4:55 PM por Fabio Seixas

O The Economist publicou essa semana um artigo sobre uma possível nova bolha de tecnologia se formando.

Bolhas fazem parte de qualquer processo econômico. Bolhas são ciclos econômicos. Umas são mais intensas (crise de 29, bolha de 2000), outras mais discretas.

Alex Barnett aponta que iremos vivenciar muitas bolhas, sejam de Internet ou não. O importante é o que podemos aprender com as experiências com as bolhas passadas.

Ele apontas as 10 lições aprendidas por ele com a bolha de 2000:

  • Não seja ganancioso.
  • Se algo parecer bom demais, provavelmente é bom mesmo.
  • A Internet não vai sumir.
  • Idéias custam pouco. O importante é a execução.
  • Sempre pense no negócio. Nunca lique o piloto automático.
  • Atinga a zona de lucro cedo e continua lá.
  • Introduza processos de negócio cedo (disciplina), mas não os transforme num peso para o negócio.
  • Nunca se comprometa se baseando na qualidade do trabalho de novos funcionários.
  • Tome as decições difíceis o mais cedo possível e supere os problemas com rapidez.
  • Pense como um consumidor.

    Eu acrescentaria a essa lista as minhas próprias lições:

  • As melhores idéias de negócio são aqueles com modelos de receitas consistentes.
  • Mantenha seus clientes perto de você. Faça deles seus amigos.
  • Não alimente esperanças. Se ver que o negócio não vai dar certo, termine e parta para outro. Aprenda com as experiências.
  • Seus funcionários são, antes de mais nada, as peças que fazem seu negócio funcionar. Trate-os bem.
  • Aproveite o poder de pessoas conectadas em prol do seu negócio. Alavanque-o com isso.
  • O lucro deve ser conseguencia, não objetivo.

    E vocês? Mais alguma lição aprendida?





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Epidemias
    setembro 22, 2005, 7:33 PM por Fabio Seixas

    Acabei de ler "O ponto de desequilíbrio" de Malcolm Gladwell. Excelente livro, complementar ao "Idéia Virus" de Seth Godin. O "Idéia virus" é um livro mais para o lado do marketing, mais espeficicamente do marketing online. Já o livro do Malcolm é sobre epídemias sociais, nem sempre relacionadas a ações de marketing.

    O conceito do livro é o estudo de como pequenas coisas podem criar grandes epidemias (boas ou ruins).

    Um exemplo de boa epidemia apresentada no livro foi o declínio da violencia no metrô de Nova York na década de 80. Segundo Malcolm, o declínio da violência no metrô não foi causada pela melhora nos índices de desemprego de NY na época, por exemplo. Mas sim pelo simples fato do novo responsável pelo metrô ter tido como principal objetivo limpar o metrô de NY, acabar com as pichações e o ambiente favorável à violência. Ele não atacou a violência em si. Atacou o ambiente e acabou resolvendo o problema da violência. É o que o autor chama de "Poder do Contexto". Aliais um conceito muito poderoso.

    O autor propõe 3 regras para a criação e controle de epidemias sociais:
    1- a regra do eleitos: Comunicadores, experts e vendedores são os agentes que fazem a epidemia nascer e crescer. Saiba quem são e aprenda a controla-los.

    2- fator de fixação: técnicas para aumentar a fixação do conceito da epidemia.

    3- poder do contexto: Mais importante do que quem e como é o onde. O ambiente deve ser favorável para que a epidemia corra livremente e "prospere".

    Enfim, é uma boa leitura para quem se interessa por marketing viral e coisas do gênero. Apesar de não ser um livro de marketing.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    Banner em Ecommerce?
    setembro 7, 2005, 10:07 PM por Fabio Seixas

    Ontem troquei um longo papo com Ricardo Soares, amigo de longa data, sobre banners e publicidade em sites de ecommerce.

    Estava conversando com ele sobre o Camiseteria.com e como o site já está com um excelente volume de tráfego mesmo estando no ar a menos de 1 mês.

    Papo vai, papo vem, eis que surge a questão de aproveitar esse tráfego para vender publicidade. Banners, google ads, o que fosse.

    Acho que site de ecommerce é pra ganhar dinheiro com ecommerce, com venda de produtos ou serviços. Site de conteúco, ou ganha com publicidade (argh!) ou ganha com assinatura.

    Vender banner em site de ecommerce é o mesmo que dizer que seu produto não é bom o suficiente ou não vende o suficiente e portanto "vamos tentar ganhar um troco com publicidade". É dar um tiro no próprio pé.

    O Camiseteria não precisa vender banners. As venda vão bem, obrigado. Nosso modelo de negócio é bacana demais para ser sujado com venda de publicidade.

    Quem vende publicidade ou é muito grande e tem muito conteúdo (UOL, Yahoo, Google) ou é um empreendedor desesperado que não soube fazer o dever de casa e montar um modelo de negócio viável e achau um jeitinho de ganhar um troco e tentar salvar seu negócio. (Excluo desse comentários blogeiros que podem até ganhar algum com Google Ads, mas certamente essa não é a forma que a maioria paga as contas de casa.)

    É só olhar os grandes. A Amazon não vende publicidade. Ela não precisa. No máximo coloca banners de fornecedores parceiros para divulgar produtos vendidos na própria Amazon. Submarino, idem. Americanas.com, idem.

    Quem souber, me diga um site de ecommerce descente (diga-se, importante) que venda publicidade para terceiros.

    Modelos de negócios sustentáveis são o que importa. Poucos conseguem fazer da publicidade online um modelo de negócio sustentável.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (0) | trackback (0)
    Link para este post:




    O novo marketing
    setembro 6, 2005, 4:45 PM por Fabio Seixas

    Lembro-me dos primórdios da Internet no Brasil, lá por 1993, quando ainda acessava pelo laboratório de informática da PUC-Rio. Nossa! Quanta coisa mudou.

    Hoje em dia continuo a me surpreender com as mudanças que a Internet nos trouxe. Mudanças técnológicas, sociais e culturais.

    No marketing não podia ser diferente. É fato que existe um novo marketing por ai. Um marketing que ainda não é ensinado na faculdade (quem dera se as faculdades conseguissem acompanhar as mudanças tão rápido). Um marketing talvez nem tão documentando como o "Marketing antigo", aquele dos 4 Ps.

    Hoje existe o novo marketing. Um marketing Cluetrain, um marketing open-source, um marketing de comunidade. Talvez a palavra certa nem seja mais marketing. Talvez seja atração ou comunicação ou interação. "Eu trabalho no departamento de interação!" soaria muito bem.

    A grande diferença entre o marketing tradicional e o novo marketing pode muito bem ser visto no quadro abaixo. (fonte: Creating Passionate Users - You ARE a marketer. Deal with it.)

    marketingchart.jpeg

    Fiquei deveras entusiasmado ao ver esse quadro. Porque consegui enxergar o Camiseteria.com fazendo tudo exatamente dentro do modelo do novo marketing.

    Vida longa ao novo marketing.





    Adicionar à: del.icio.us | Rec6 | My Yahoo 2.0
    permalink | comentários (1) | trackback (0)
    Link para este post:






  •     Powered by Movable Type